Diabetes Mellitus

O diabetes mellitus caracteriza-se pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, gerando níveis elevados de açúcar no sangue (hiperglicemia).

O diabetes tipo 1 decorre da destruição de células pancreáticas que produzem insulina por autoanticorpos (processo autoimune). O diagnóstico é feito durantes os estágios mais iniciais, na infância e na adolescência, mas também pode ocorrer em outras faixas etárias.

Já no diabetes tipo 2, há a produção normal de insulina pelo pâncreas, mas existe uma resistência das células musculares e do tecido adiposo à essa insulina produzida. De tal modo, a insulina não atua adequadamente, sendo incapaz de promover a entrada de glicose nas células de forma eficaz. Esse tipo ocorre mais frequentemente em pessoas com idade superior a 40 anos, acima do peso, sedentárias, sem hábitos de alimentação saudáveis.

O diagnóstico de diabetes é feito quando se verifica:
- valores de glicemia de jejum maiores ou iguais a 126 mg/dl em duas ocasiões OU
- valor maior ou igual a 200mg/dl após a ingestão de 75mg de glicose anidra (TOTG)
- glicemia aleatória com um valor maior ou igual a 200 mg/dl, na presença dos sintomas clássicos

O tratamento do Diabetes tipo 1 é sempre a Insulina, devido a ausência de produção da mesma pelo organismo. No tipo 2, pode-se fazer uso de medicamentos orais, havendo diferentes classes com mecanismos de ação particulares. Porém, em estágios mais avançados, pode ser requerido o uso de insulina devido a uma falência pancreática.

O tratamento do Diabetes tipo 1 é sempre a Insulina, devido a ausência de produção da mesma pelo organismo. No tipo 2, pode-se fazer uso de medicamentos orais, havendo diferentes classes com mecanismos de ação particulares. Porém, em estágios mais avançados, pode ser requerido o uso de insulina devido a uma falência pancreática.

A herança genética contribui bastante para o diabetes tipo 2, sendo comum haver histórico familiar. Já sobre o Diabtes tipo 1 é muito pouco freqüente e a suscetibilidade genética tem menor relevância. Deve-se reforçar que até o momento, ainda não foi encontrada cura para o diabetes. Porém há novas classes de medicamentos disponíveis, bem como pesquisas diversas e informações, fornecendo as ferramentas para se conviver com o Diabetes da melhor forma possível.

DIABETES GESTACIONAL
O Diabetes Gestacional é definido pelo diagnóstico da diabetes no decorrer da gestação, traduzido pelo aumento dos níveis de glicose na circulação. Recomenda-se que todas as gestantes sejam avaliadas a partir do 6º mês gestacional (24ª semana), verificando sua glicose em jejum e, principalmente, a glicemia após estímulo da ingestão de glicose, denominado Teste Oral de Tolerância à Glicose (TOTG).

Após o diagnóstico de Diabetes Gestacional, deve-se buscar reduzir a glicemia a partir da mudança do estilo de vida, realizando dieta e atividade física, como a hidroginástica, de acordo com a orientação de médico e nutricionista. Em casos mais graves, pode ser necessário fazer uso de insulina para normalizar os níveis de glicose. É importante salientar que as pacientes que apresentaram Diabetes Gestacional apresentam maior risco de desenvolver Diabetes tipo 2 (DM2) após a gestação.

E quais fatores estão associados ao desenvolvimento de Diabetes tipo 2, em mulheres que apresentaram Diabetes Gestacional?

  • glicemia de jejum elevada no pós-parto
  • baixa idade gestacional no diagnóstico de Diabetes Gestacional
  • glicemia de jejum e após duas horas e insulina basal e após 2 horas elevadas no TOTG diagnóstico pós-parto,
  • idade materna avançada, obesidade materna, multiparidade (gêmeos), história familiar de DM
  • tratamento do Diabetes Gestacional com insulina (severidade do quadro)
  • recorrência da Diabetes Gestacional em gestações seguintes
  • hiper pró-insulinemia basal na gestação e no pós-parto e elevada relação pró-insulina/insulina no pós-parto.

De tal modo, para não aumentar o risco de evoluir para a DM2 no pós parto, deve-se buscar manter controle dietoterápico e prática de atividade física para retardar ou mesmo evitar o surgimento de um quadro de DM 2.