Deficiência Androgênica do Hormônio Masculino (DAEM)

Durante a adolescência, os homens apresentam uma pronunciada elevação da produção da testosterona, que é produzida nos testículos e glândulas adrenais. Esses níveis mantêm-se elevados até a faixa etária de 20 a 30 anos, aproximadamente. Assim, o pico da produção hormonal é na idade jovem, sendo a testosterona fundamental para o comportamento sexual normal e ereções nos homens. À medida que os homens envelhecem, há uma redução gradativa dos níveis da testosterona, podendo-se observar, em aproximadamente 20% da população masculina acima de 40 anos de idade, sintomas semelhantes à menopausa.

- Diminuição e/ou perda de força e agilidade física, energia e apetite sexual (libido),
- mudança de humor, depressão
- fadiga
- disfunção erétil
- osteoporose (em casos mais extremos)

Não existe um marco para essa transição, como ocorre nas mulheres com a menopausa. Dessa forma, o termo andropausa não é muito empregado, utilizando-se Deficiência Androgênica no Desenvolvimento Masculino (DAEM).

Apesar de ser algo inerente aos homens, nem todos apresentam os sintomas mencionados ou precisam de tratamento caso esses sejam de grande intensidade. A queda da produção hormonal é esperada com o avanço da idade, porém o que caracteriza um quadro de DAEM é justamente a associação da redução dos níveis de testosterona com o comprometimento de sua qualidade de vida e libido. Envelhecer é um processo natural e o ideal é que ocorra com saúde e qualidade de vida.